Nalanda Aracaju

Como Integrar a Meditação na Vida Diária

~ por Godwin Samararatne ~hk_96_in_a_group1

Godwin: Agora eu vou dar uma palestra sobre como integrar a meditação na vida diária. Então, por favor, ouçam cuidadosamente com toda a sua atenção.


Fa
ça um compromisso
Temos que ser claros sobre as nossas prioridades na vida. Portanto, temos de ser claros onde a prática da meditação figura na lista de prioridades que temos na vida. Se alguém está realmente preparado para assumir um compromisso com a prática da meditação, essa pessoa nunca vai dizer que não tem tempo para meditar. Então, por favor, seja claro sobre esse ponto.

Apenas saber o que está acontecendo
O segundo ponto é, como temos tentado fazer hoje e como tenho enfatizado muito, este aspecto muito importante de apenas saber o que está acontecendo em sua mente e corpo, do contrário, vocês estariam se tornando mais e mais como uma máquina. As máquinas podem funcionar de forma muito eficiente, mas a máquina não sabe que está funcionando, não tem entendimento, nem conhecimento.

Assim, conhecer e compreender como a nossa mente e corpo trabalham é algo que podemos fazer em nossa vida diária. As coisas que fazemos habitualmente, de forma mecânica, como escovar os dentes, pentear os cabelos, vestir-se, todos esses pequenos gestos, por favor, faça um esforço para fazê-los de forma consciente, para saber o que você está fazendo, tendo sua total e completa atenção sobre eles quando você fizer tais coisas. Seja se você estiver em casa, seja se você estiver viajando em um carro, seja se você estiver em seu local de trabalho, a fim de entender, a fim de estar ciente do que está acontecendo com seu corpo e mente de momento a momento, tanto quanto o possível. Esta é a única maneira de integrar a meditação com a nossa vida diária.

Estar Consciente dos Pensamentos
Outro aspecto que enfatizei aqui é os nossos pensamentos. Assim, durante o dia, apenas esteja ciente, apenas esteja consciente: ‘Quais são os pensamentos que estou tendo? Eles são sobre o passado? Eles são sobre o futuro? Eles são sobre mim? Eles são sobre os outros?’ A partir do momento em que acordamos até a hora de irmos dormir, temos esses pensamentos contínuos passando pela mente, eles nunca param. Então, temos que fazer um esforço para aprender sobre essas coisas. Ao aprender sobre seus pensamentos, você pode tentar entender o tipo de pessoa que você é, pode ganhar autoconhecimento, autoentendimento. Isso é muito importante para a meditação.

Emoções
Outro problema na vida diária relacionada a isso são as nossas emoções, emoções desagradáveis ​​que criam sofrimento para nós, criam conflito para nós. Então, a menos que sejamos meditantes, realmente não sabemos como essas emoções são criadas. O que acontece com as pessoas é que elas sofrem com essas emoções e não sabem por que elas estão sofrendo, e assim continuam a sofrer neste mundo. Então, se você conseguir entender o mecanismo, o relacionamento, as condições que criam essas emoções, como eles estão diretamente relacionados aos pensamentos, então você poderá trabalhar com elas, você poderá fazer delas objetos da meditação.

Experiências Desagradáveis
Outro aspecto que tenho enfatizado, e é muito importante na vida cotidiana, é descobrir como tornar em objeto da meditação aquilo que é desagradável, que o está perturbando, que o está incomodando. Vocês devem se lembrar de hoje quando estávamos meditando e ouvimos um grande ruído externo. Naquele momento sugeri a vocês: ‘Vamos ouvir esse som’. Sugeri que poderíamos ouvi-lo como se fosse a primeira vez, caso contrário será considerado um barulho, será interpretado como uma perturbação, poderemos ficar com raiva, sofrer, como resultado daquele barulho vindo do exterior. Assim, quando aprendemos a fazer disso o objeto da meditação, podemos aprender com qualquer situação, qualquer experiência na vida.

A mesma coisa serve para as pessoas com quem temos problemas. Este é um dos maiores desafios que temos na vida cotidiana: relacionamentos. Vocês têm de ter relacionamentos com pessoas em casa, vocês têm de ter relacionamentos com pessoas no trabalho. Nós não podemos escapar de relacionamentos. Então, peguemos o exemplo de alguém que faz da vida de vocês uma desgraça, criando problemas, gerando sofrimento pra vocês. Uma maneira interessante de lidar com uma pessoa assim é toma-lá como seu professor, seu guru. Assim, vocês aprendem a usar essa pessoa para observar sua própria mente, para ver suas próprias reações àquela pessoa. Então vocês perceberão que o problema não é com aquela outra pessoa, mas como vocês estão se relacionando com ela, como vocês estão reagindo àquela pessoa.

Esta é a beleza do ensinamento do Buddha. Se o sofrimento está fora, nunca podemos nos libertar do sofrimento. Mas porque estamos criando nosso próprio sofrimento, então podemos nos libertar do sofrimento. Às vezes, eu defino a meditação como encontrar o remédio para a doença que nós mesmos criamos. Então, como nós criamos a doença, temos de descobrir o medicamento.

Logo que descobrimos que a meditação é o remédio, temos de usá-lo, temos de aplicá-lo na vida diária. Algumas vezes, como sabem, um remédio pode ser desagradável, nem sempre é doce, nem sempre é bom de tomar, mas se queremos nos curar, mesmo sendo desagradável, temos de tomá-lo. Então, estas experiências desagradáveis que temos, dor física, dor mental, são desagradáveis sim, mas, como tenho dito, temos de aprender com elas, elas têm de ser o nosso objeto de meditação.

Materialismo & Consumismo
Outro desafio que vocês têm na sua vida diária é materialismo, consumismo. Quando vivem num país rico como este, vocês não sabem separar, vocês não sabem, não está claro o que vocês realmente precisam e o que é simplesmente cobiça. A sociedade em que vocês vivem pode criar desejos em vocês que não são realmente necessários.

Um aspecto muito importante da meditação na vida diária é aprender a levar uma vida simples. É algo muito belo ser simples, aprender a ser simples no nosso modo de viver. Assim, quando surge um impulso ou uma necessidade de comprar coisas, quando você vê as coisas você deve se perguntar: “Bem, isto é realmente necessário para mim? Por que realmente preciso disto? É porque outra pessoa está vestindo, ou outra está usando, ou realmente preciso disto?” Então você realmente tem que se questionar ao viver numa sociedade de consumo.

Então, cada um de vocês perceberá sua alegria, sua felicidade, sua leveza virem não de coisas externas, não de bens, não a partir do que vocês possuem, não a partir do que vocês compram, mas a partir de algo que vem de dentro de vocês mesmos. Esta é a beleza da meditação. A necessidade por coisas externas vai embora porque vocês se tornaram independentes das coisas externas. Elas vão embora. E como eu disse, alegria e leveza vêm de dentro de vocês mesmos.

Meditação da Bondade Amorosa
Outra meditação bastante importante, especialmente quando praticada diariamente, é a meditação da bondade amorosa. Um aspecto da bondade amorosa é aprender a ser seu próprio melhor amigo. Se vocês conseguirem fazer essa conexão consigo mesmos, vocês jamais irão fazer coisas não saudáveis a vocês, prejudiciais a vocês, que criam seu próprio sofrimento ou sofrimento aos outros. É apenas quando se é amigável para consigo mesmos que vocês podem tornar-se amigos dos outros. Primeiramente, vocês devem abrir seus corações a si mesmos para então abrir seus corações aos outros.

Existem vários aspetos da bondade amorosa; já dei uma palestra sobre o assunto, e nesse dia distribuímos um livreto sobre bondade amorosa. Por favor, leiam-no, mas agora gostaria de mencionar dois aspectos sobre a bondade amorosa: um é o perdão e o outro a gratidão.

Em cada dia de nossas vidas precisamos de nos perdoar e aos outros. Se não pudermos nos perdoar e aos outros, então, o que ocorrerá é que estaremos a carregar certas experiências, certas feridas que foram criadas, e estas podem criar muito sofrimento a nós mesmos na vida de todos os dias.

Como somos humanos estamos fadados a cometer erros. Então, quando vocês cometem um erro, não é preciso sofrer e não é preciso sentirem-se culpados ou culparem-se por terem cometidos erros, mas, sim, é preciso aprender a perdoar a si mesmos e aprender com esses erros. E outros seres humanos, como eles são também seres humanos, como eles também são imperfeitos, eles também estão destinados a cometerem erros. Então, se vocês não conseguem perdoar outras pessoas o que ocorre é que vocês seguram ódio e má vontade, o que é muito prejudicial.

Quando nós desenvolvemos mais e mais cordialidade para com os outros, mais e mais cordialidade para conosco, e mais e mais perdão aos outros e para nós mesmos, então aprendemos a sermos gentis com os outros, aprendemos a ter amorosidade em nossas relações com os outros.

Existem tantos seres humanos que estão sofrendo desnecessariamente. Assim, quando vocês verem seres humanos sofrendo, vocês devem tentar se relacionar com eles com gentileza,  com doçura, muitas vezes sorrindo para eles, algumas vezes praticando um ato de bondade, o qual pode fazer diferença para eles e para vocês. E se vocês puderem realmente se abrir para a amorosidade, vocês verão tantas oportunidades na vida, na sociedade, onde podem agir de tal forma, e isso pode gerar muita felicidade para vocês e felicidade para outros.

Outra qualidade muito importante que mencionei relativamente à amorosidade é a gratidão. Antes de vir para cá passei algum tempo na Índia e enquanto estive no local onde o Buddha se iluminou refleti no que o Buddha fez após a sua iluminação. De acordo com a tradição, depois de se tornar iluminado ele passou sete dias apenas olhando para a árvore que lhe dera abrigo. Apenas reflitam nisto: Buddha passando sete dias mostrando a sua gratidão a uma árvore. Isto mostra quão importante é a qualidade de nos sentirmos gratos.

Sentimo-nos gratos pelas coisas? Sentimo-nos gratos por outras pessoas? Sente-se grato por ter descoberto o Dhamma, por ter um grupo de amigos espirituais? Fazemos algum esforço por desenvolver esta qualidade da gratidão? Alguma vez nos sentimos gratos por podermos ver? Há pessoas que não veem. Sente-se grato por ouvir? Algumas pessoas não ouvem. Sente-se grato por ser saudável e poder praticar meditação sem qualquer problema?

Então, essas são coisas diminutas, pequenas coisas, que tomamos como garantidas. Deviam visitar países muito pobres, como a Índia e o Sri Lanka, e então poderiam compreender que deveriam sentir-se gratos por algumas coisas de que usufruem neste país. Mas alguma vez pensamos nisso? Nesses países há pessoas sem comida. Então, não deveríamos sentir-nos gratos quando temos comida para comer?

Há outro aspecto para se sentir grato: como disse mais cedo na discussão, quando temos experiências desagradáveis devemos também nos sentir agradecidos por elas porque podemos aprender com elas, elas se tornam nossos professores.

Amigos espirituais
Outro aspecto da meditação no dia-a-dia é ter amigos espirituais ao seu redor. Fico muito feliz por vocês terem alguns grupos aqui, de forma que podem procurar esses grupos e passar algum tempo com outras pessoas, meditar e discutir com elas. Assim sendo, sintam-se agradecidos pelo fato de que vocês são um grupo de amigos espirituais ajudando uns aos outros.

Quando pratica dessa forma no dia-a-dia você pode realmente ver o resultado, pode ver que o medicamento que o Buddha nos deu realmente cura, funciona mesmo. Então você passa a ter mais e mais fé, mais e mais confiança no medicamento. E você tem mais e mais confiança em você mesmo. Então, realmente sentir-se-á grato ao Buddha que descobriu este medicamento, e você se sente feliz por tê-la descoberto, por estar usando-a e por estar sentindo o resultado.

E o que é belo sobre a medicina do Buddha é que ela pode ser aplicada em qualquer situação da vida. Pode ser aplicada quando vocês estão doentes. Pode ser aplicada quando vocês encontram a morte de algum modo. Pode ser aplicada quando estamos feridos, frustrados, desapontados. Pode ser aplicada quando temos problemas sérios, conflitos muito sérios.

A única coisa, como eu disse no início, é que se tem de ser bem claro quanto à prática. Você realmente está se comprometendo com a prática? Você assumiu um compromisso para tomar o medicamento? Acredito também ser importante que, enquanto você toma o medicamento, você também deve encorajar outros a tomá-lo, simplesmente partilhando com eles – isso é o que eu estou fazendo. Por favor, vejam por si mesmos.

Determinação para Tomar o Medicamento
Algumas das sugestões que tenho feito até aqui sobre integrar a meditação na vida diária, serão elas muito difíceis, despropositadas, fora do seu alcance? O Buddha nunca disse algo que os seres humanos normais não pudessem fazer. A única coisa sobre a qual vocês devem estar certos é ter um entendimento claro dos ensinamentos e saber como aplicá-los nas diferentes situações da vida. Esse é o ponto que estou enfatizando.

Não penso que haja necessidade de dizer mais nada. Assim, gostaria que agora vocês passassem algum tempo refletindo sobre algumas das coisas que mencionei. Esse tipo de reflexão é também uma meditação muito importante. Apenas reflitam sobre um tema em particular que os ajudará e ajudará a outros. Isso nos ajuda a olharmos para nós mesmos, encontrar onde realmente estamos na vida. Isso nos ajuda a descobrir se realmente estamos desperdiçando nossa vida.

De acordo com o ensinamento do Buddha, adquirir o nascimento humano é algo bem precioso. Assim, estamos realmente fazendo uso da preciosidade do nascimento humano? De que maneira podemos utilizar esta preciosidade? Então, vamos refletir sobre esse importante tema por alguns minutos. E assim refletindo, façamos uma determinação: De agora em diante farei uma verdadeira determinação de tomar o medicamento e me libertar do sofrimento que eu mesmo criei. E também uma aspiração: Que eu também possa conquistar oportunidades de modo a compartilhar o medicamento com outros e, assim fazendo, que eu possa fazer os outros felizes. Fechemos nossos olhos e realmente reflitamos sobre isso.

Que vocês possam continuar a usar o medicamento e se livrar da doença que vocês mesmos criaram.

Como esta é minha última palestra, gostaria de agradecer a todos. Primeiramente, gostaria de agradecer aos organizadores que fizeram um trabalho excelente. Estou muito impressionado com o modo como planejaram as coisas tão bem e de forma agradável. Deveríamos mesmo nos sentirmos agradecidos pelo fato de que há pessoas capazes de organizar as coisas tão bem. Deveríamos também ser gratos por este mosteiro por ter nos dado a permissão para usar seu espaço tão agradável.

Gostaria também de agradecer aos intérpretes, tradutores, que fizeram um trabalho muito difícil. Eu tinha a sensação de que, por vezes, eles melhoraram o que eu disse! Gostaria também de agradecer ao nosso mestre de yoga por ensinar yoga sob circunstâncias tão difíceis.

Por último, gostaria de agradecer a todos aqueles que têm assistido às palestras e que têm vindo participar da meditação diária. Isso me faz muito feliz por ver o seu interesse, o seu compromisso com o Dhamma, com a prática. Então eu espero que, como eu estava dizendo, vocês continuem a ter esse compromisso com a prática.

Vamos agora entoar alguns cânticos e terminar com a meditação da amorosidade.

[Recitação]

Meditação guiada da amorosidade.

Agora vamos encerrar com a meditação da amorosidade.

Por favor, sintam a região do seu coração. Por favor, passem algum tempo apenas sentindo essa área.

Vocês podem sentir que o seus corações estão se abrindo como uma flor, sentindo delicadeza, suavidade e ternura?

Você pode sentir que é seu melhor amigo, você pode realmente sentir, na área de seu coração e em cada parte de seu corpo?

Como seu melhor amigo, você pode realmente se perdoar por qualquer erro que tenha cometido no passado? Caso você não tenha que se perdoar, apenas sinta-se feliz por não estar carregando nenhuma mágoa.

Como seu melhor amigo, você pode perdoar os outros por qualquer erro que eles tenham cometido, soltando qualquer ódio ou hostilidade que você carregue em relação a eles?

Que todos vocês possam estar bem. Que todos vocês possam estar felizes. Que todos vocês possam estar em paz. Que todos os seres possam estar em paz. Que todos os seres possam estar felizes. Que todos os seres possam estar bem. Que todos os seres sejam felizes. Que todos os seres estejam em paz.


Palestras em Hong Kong – Retiro de 1 dia em Hong Kong – 12 de Outubro de 1997

Traduzido pelo Grupo de Tradução do Centro Nalanda
em acordo com The Association of Spiritual Friends of Godwin
Para Distribuição Gratuita
© Ms. Jeanne Mynett
© 2011-2015 Edições Nalanda, da tradução

 

Nota: “O Caminho Gentil da Meditação” é a transcrição de palestras realizadas por um mestre laico de meditação muito famoso no Sri Lanka, Sr. Godwin Samararatne.


* Você sabe alguma língua ou tem experiência em revisão de textos em português? Se você gostaria de traduzir e dispor suas traduções em nossa sala de estudos para que mais pessoas possam ter acesso aos ensinamentos do Dhamma, nós o/a convidamos a entrar em contato conosco. Precisamos de tradutores do espanhol, inglês, alemão e outras línguas, bem como revisores de português.