Nalanda Aracaju

Meditação

Os métodos de meditação ensinados pelo Buda no Cânone em Pali se encaixam dentro de dois sistemas amplos. Um é o desenvolvimento da tranquilidade (samatha), que objetiva a concentração (samadhi); o outro é o desenvolvimento do insight (vipassana), que objetiva o entendimento ou sabedoria (pañña). No sistema de treinamento mental do Buda o papel da tranquilidade é subordinado ao insight porque este último é o instrumento crucial necessário para desenraizar a ignorância que se encontra na base do cativeiro samsárico. As realizações possíveis através da meditação da tranquilidade eram do conhecimento dos contemplativos Hindus muito antes do advento do Buda. O próprio Buda adquiriu maestria nos dois estágios mais elevados, nesse tipo de meditação, sob a orientação dos seus primeiros mestres, mas concluiu que eles só conduziam aos planos superiores de renascimento, não à verdadeira iluminação (MN 26.15-16). Entretanto, como a unificação da mente, induzida pela prática da concentração, contribui para o claro entendimento, o Buda incorporou as técnicas de meditação da tranquilidade e os níveis de absorçaão resultantes ao seu próprio sistema, trantando-os como fundamento e preparação para o insight e como um “estado prazeroso no aqui e agora”.


A meditação é a abordagem psicológica para a cultura mental, treinamento e purificação.

Em lugar da oração, os buddhistas praticam a meditação para a cultura mental e para o desenvolvimento espiritual. Ninguém pode atingir o Nibbāna ou a salvação sem desenvolver a mente através da meditação. Qualquer quantidade de somente ações meritórias não levará uma pessoa a atingir o objetivo final sem a purificação mental correspondente. Naturalmente, a mente não treinada é bastante ardilosa e convence as pessoas a cometerem o mal e a se tornarem escravas dos sentidos. Imaginação e emoções sempre enganam o homem se sua mente não está treinada apropriadamente. Aquele que sabe como praticar a meditação será capaz de controlar sua própria mente quando ela for enganada pelos sentidos.

A maior parte das dificuldades com as quais nos defrontamos atualmente é devida a uma mente não treinada e não educada. Já foi constatado que a meditação é o remédio para males físicos e mentais do homem. Autoridades médicas e grandes psicólogos do mundo dizem sempre que a frustração mental, preocupações, misérias, ansiedades, tensão e medo são as causas de muitas doenças, úlceras estomacais, gastrite, problemas nervosos e doença mental. E mesmo doenças latentes serão agravadas sob tais condições mentais.

 

A meditação não deveria ser uma tarefa na qual nos forçamos ‘com os dentes trancados e os pulsos cerrados’; deveria ser algo que nos convida, pois nos enche de alegria e inspiração. Enquanto tivermos que nos forçar, ainda não estaremos prontos para a meditação. Ao invés de meditar estaremos violando nossa verdadeira natureza. Ao invés de relaxar e deixar passar, estaremos nos segurando em nosso ego, em nossa força de vontade. Dessa forma, a meditação se torna um jogo de ambição, de conquista pessoal e engrandecimento. Meditação é como o amor: uma experiência espontânea – não algo que possa ser forçado ou adquirido através de esforço excessivo.

Portanto a meditação buddhista não tem outro propósito senão trazer a mente de volta ao presente, para o estado de total consciência desperta, por meio de uma limpeza de todos os obstáculos criados pelo hábito ou pela tradição.

O Buddha obteve Sua Iluminação pelo desenvolvimento de Sua mente. Ele não buscou um poder divino para ajudá-Lo. Ele conquistou Sua sabedoria através do esforço próprio pela prática da meditação. Para se ter um corpo e uma mente saudáveis e atingir a paz na vida, é preciso aprender como praticar a meditação.

Fonte: noqueosbuddhistasacreditam.wordpress.com e Majjhima Nikaya

 


Vipassana

O propósito da Meditação da Visão Clara (Vipassana) não é criar um sistema de crenças, mas, antes, dar orietação sobre como ver claramente a natureza da mente. Desta forma, adquire-se a compreensão do modo como as coisas são, sem a dependência de opiniões ou teorias – uma experiência direta que possui sua própria vitalidade. Ela também dá surgimento à sensação de profunda calma que vem de conhecer algo por si mesmo, além de qualquer dúvida.

A meditação da Visão Clara é um fator fundamental no caminho que o Buddha ofereceu para o bem-estar dos seres humanos: a única necessidade é que se coloque em prática!

Anapanasati

A Vigilância por meio da Respiração (Anapanasati) é um caminho completo de libertação por si mesmo, ao mesmo tempo em que é uma fundação sólida para outras práticas contemplativas. É o sistema de meditação mais freqüentemente praticado e ensinado pelo próprio Buddha. Em vários discursos Ele explicou como colocar em prática as Quatro Aplicações da Vigilância (Satipatthana) e como praticá-las corretamente de forma a desenvolver os Setes Fatores do Despertar e finalmente a Libertação. Consideramos o Anapanasati o texto de meditação mais importante de todo o Tipitaka (Cânon).

A respiração é central na meditação e nas práticas de cura em todo o mundo. O Buddha refinou as formas de “controle da respiração” utilizadas em sua época, transformando-as em uma abordagem sistemática para o cultivo da vigilância, calma interior, integração mental, consciência de si e insight. O poder natural da respiração é tanto o início quanto a âncora desta prática. A partir dela, muitas possibilidades se desdobram.

Leia mais…

Metta Bhavana

METTA é a palavra em Pali que significa “amizade amorosa ou amor irradiante”. Metta é um dos mais importantes ensinamentos do Buddha. Ela é frequentemente aprendida através de meditações guiadas.

“Metta Bhavana é uma prática de meditação que equilibra a Meditação do Insight. Durante a Meditação do Insight estamos primariamente focados na purificação da mente e aprofundar os insights numa realidade mais profunda. Na Meditação de Metta estamos focados no desenvolvimento das qualidades saudáveis da mente e no compartilhamento deste mérito com todos os seres. Metta, de fato, pode ser desenvolvida somente se pudermos doá-la para inúmeros seres sem discriminação ou sem expectativa de ganhar algo em retorno. Deve ser livre do egoísmo ou do apego. O objeto da meditação de metta deveriam ser infinitos seres. Sendo assim, metta deve ser estendida a todos os seres sem exceção. Que todos os seres possam estar bem e felizes, isso abarca todos os seres vivos.”

Rewata Dhamma Sayadaw

2 thoughts on “Meditação

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *